Monumento Mínimo
Minimum Monument

brasilia congresso Rodoviária, Brasilia fevereiro de 2003

(english)

O projeto de ação urbana Monumento Mínimo de autoria da artista Néle Azevedo, vem se realizando em cidades de diferentes países e culturas. São inúmeras esculturas em gelo colocadas a derreter em espaços públicos onde atraem a atenção dos passantes, provocando uma suspensão do seu trajeto cotidiano. Numa ação de poucos minutos, ele subverte os cânones oficiais do registro da memória em monumentos públicos, reduzindo o tamanho do monumento a vinte centímetros de altura, tornando-o móvel e fugaz e homenageando homens comuns em lugar de dirigentes e heróis. Com isso realiza uma apreensão concreta, poética e política do espaço, do corpo na cidade e do monumento no espaço coletivo.

Essa proposta plástica do Mínimo como Monumento inserido na cidade se inicia em novembro de 2001, foi tema e objeto da tese de mestrado da artista. Ela pretende apresentar uma leitura crítica do monumento nas cidades contemporâneas, acompanhada de ações que invertem os cânones oficiais do registro da memória em monumentos públicos no mundo ocidental.

Como alternativa à solidez da pedra, oferece a fluidez do gelo, numa clara troca de estabilidade por movimento, de peso por leveza. Em vez de aprisionar a obra em locais fixos empreende uma perambulação por espaços públicos de diversas cidades, estados e países. No lugar da homenagem ao herói, ou à autoridade, promove a celebração do homem comum.

Nas intervenções realizadas até o final de 2004 as esculturas em gelo eram colocadas apenas uma ou duas em cada local escolhido e derretiam. A experiência se repetia em diversos pontos de cada cidade percorrida. O Monumento Mínimo foi levado, nesse formato, a diversas cidades no Brasil como Campinas, São Paulo, Brasília, Curitiba e Salvador, e também a cidades de outros países como Havana, em Cuba; Tokyio e Kyoto, no Japão.

A partir de abril de 2005, opta pela concentração de grande número de esculturas em um só local. Uma espécie de monumento coletivo que desaparece.

Essas intervenções foram realizadas em abril de 2005 em São Paulo, na Praça da Sé (marco zero da cidade), em junho de 2005 em Paris, nas escadarias do L´Opera e na Mairie du 9émè em novembro de 2005, novamente em São Paulo nas escadarias do Teatro Municipal (arquitetura inspirada na Òpera de Paris). Em 15 de junho de 2006, na cidade de Braunschweig, Alemanha, no Porto em Portugal na praça Dom João I no dia 22 de setembro de 2006. Na cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo em setembro de 2007, na Piazza della Santissima Annunziata em Florença, em outobro de 2008 e na praça Gendarmenmarkt em Berlin em 02 de setembro de 2009.

(English)
The Minimum Monument project is a critical reading of the monument in the contemporary cities. In a few-minutes action, the official canons of the monument are inverted: in the place of the hero, the anonym; in the place of the solidity of the stone, the ephemeral ice; in the place of the monumental scale, the minimum scale of the perishable bodies.

The project started with solitary figures, later a multitude of small sculptures of ice were placed in public spaces of several cities. The memory is inscribed in the photographic image and shared by everyone. It is no longer reserved to great heroes nor to great monuments. It loses its static condition to gain fluidity in the urban displacement and in the change of state of the water. It concentrates small sculptures of small men, the common men.

- topo/top